20 de mar de 2017

Lápis de cor aquarelável profissional



Saudações caros visitantes.

Finalmente vou fazer a resenha sobre meus lápis de cor aquareláveis profissionais, das marcas Derwent, Koh-I-Noor e Caran D'Aché.

Calma, eu não ganhei na Mega Sena (ainda), muito menos roubei um banco. Depois de testar os lápis da Faber Castell, resolvi dar um "UP" e comprei uma caixa Derwent Watercolour de 12 cores, depois, para completar com as cores que faltaram, comprei mais 9 lápis da marca Koh-I-Noor Modeluz e por fim, comprei um lápis da Caran D'Aché, de uma cor que não encontrei da marca Koh-I-Noor. Totalizando 22 cores aquareláveis profissionais. Hoje, vou avaliá-los e mostrar suas diferenças, qualidades e defeitos.

Então vamos começar...

A primeira diferença óbvia, se compararmos esses lápis com uma caixa de lápis aquarelável escolar da Faber Castell (que é excelente), é o preço. Tomemos como base uma caixa dessa marca, com 12 cores que custa aproximadamente R$ 19,00. Vamos compará-la com as opções "equivalentes" das marcas que citei, para termos uma opinião mais sólida.
  • Derwent Watercolour 12 cores — R$ 69,00 (Estojo metálico)*
  • Koh-I-Noor Mondeluz 12 cores — R$ 150,70 (Estojo metálico) *
  • Caran D'Aché Supracolor II Soft 12 cores — R$ 175,00 (Estojo metálico) *
* - Valores aproximados.

Mesmo a Derwent sendo a opção mais "acessível", ainda é um valor alto a se pagar por uma caixa de lápis de cor, mesmo sendo profissional. Nas lojas físicas de BH, os lápis mais acessíveis foram os da Koh-I-Noor avulsos, mas a gama de cores não era muito grande, já os da Caran D´Aché, possuíam a maior gama de cores e preço mais alto também.

A segunda diferença clara entre essas marcas é a aparências dos lápis. Enquanto a Derwent tem uma identidade visual clara para seus lápis, as outras duas marcas abusão da aparência clássica, mas não pecam por isso.

Os lápis da linha Watercolour da Derwent possuem corpo azul escuro e apenas no lado oposto à ponta é possível ver uma indicação visual da cor da mina. Além disso, ele tem todos os identificadores padrões no corpo do lápis, como: o nome da cor, o modelo, a marca, o país de origem e o desenho de um pincel que o classifica como lápis aquarelável.



Os lápis são bonitos, mas faltou deixar mais claro a cor da mina. Isso é um problema, por que dificulta a identificação da cor do lápis, caso possua uma grande variedade de cores.

Os lápis da linha Mondeluz da Koh-I-Noor e os Supracolor da Caran D'Aché, possuem a aparência mais padronizada. Eles são pintados com cores aproximadas às das minas, têm impresso em seus corpos, o modelo, a marca, o país de origem (exceto o Mondeluz), o desenho do pincel e o que os difere é o código das cores.


Os lápis Supracolor são aparentemente simples, mas o da Mondeluz são muito mais  bonitos. E como ambos são pintados com as cores das minas, facilitam muito na hora de encontrar uma cor específica.


E quanto a maciez das minas? Bom, aqui a ordem muda. Os lápis Mondeluz são mais macios que os da Faber Castell, mas são mais firmes que os Watercolour, já os Supracolor são muito macios. Inclusive, se você está acostumado com os lápis da Faber Castell, recomendo comprar os da Koh-I-Noor primeiro, assim você não se assusta tanto com a diferença da maciez das minas (aconteceu comigo).

Falei, falei e falei, e não disse o mais importante: quais são as principais diferenças de um lápis aquarelável profissional em relação aos escolares.


Primeiramente, a facilidade de dissolução da mina em contato com a água, o poder de cobertura da tinta e sua durabilidade no papel. 

As minas dos lápis Mondeluz, Watercolour e Supracolor, respectivamente, dissolvem facilmente em contato com a água, especialmente o Supracolor. Eles também tem poder de cobertura maior, ou seja, se com um lápis escolar eu preciso de seis camadas de cor para obter um resultado satisfatório (vocês sabem que gosto das pintura bem saturadas), com os lápis profissionais, eu preciso de aproximadamente três. Algumas cores, com apenas uma camada, eu finalizo uma área. E por fim, em tese, esses lápis são produzidos com materiais de qualidade melhor, por isso, duram mais tempo em contato com a luz, mesmo assim, aplicar verniz depois que finalizar o desenho ajuda muito.

Enfim, não posso recomendar nenhuma das marcas citadas acima, por que ambas são ótimas. Não tenho uma marca preferida, o único conselho que posso dar para vocês é que se for fazer um desenho com esses lápis mas sem aquarelar, utilize os Modeluz, as outras marcas possuem minas macias demais e isso atrapalha, se sua intenção não é fazer um desenho artístico.

Utilizo ambas as marcas em conjunto, uma completa a outra, inclusive com as outras aquarelas que eu possuo, o lápis podem trabalhar melhor os detalhes.

Agora que vocês já conhecem os lápis, vou mostrar eles em ação no último desenho do ano.




As cores  de todo o desenho foram feitas basicamente com os lápis da Derwent, mas o rabo e as "penas" ou orelhas, foram feitas com os lápis da Koh-I-Noor. O fundo verde-água, foi feito com o lápis da Caran D'Aché e o chão, foi feito com guache.

Espero que tenham gostado do desenho, boas festas, abraços e até breve.
Desejo que o ano de 2017 seja melhor que este, para todos nós.

2 comentários:

  1. Ainda quero testar os da Mondeluz, tenho os da Polycolor, que não são aquareláveis, e acho que eles são, de todos os lápis do tipo, os melhores. A mina não é nem tão macia, nem tão dura, dá para cobrir grandes áreas e fazer pequenos detalhes com a ponta mais fina. Os da Derwent são um caso de amor e ódio, acho a textura deles muito pastosa, logo quando comecei a usá-los, chegava a fazer uma crosta em cima do papel, depois fui pegando o jeito. Mas as cores são maravilhosas - e esse detalhe que você falou do corpo azul escuro realmente dificulta reconhecer exatamente os azuis!
    E material artístico está cada vez mais caro aqui no Brasil, de chorar. Até mesmo produtos de qualidade bem inferior estão caros e em falta. Como moro no interior, tenho que comprar tudo pela internet, então sempre fico de olho em promoções, principalmente de frete --'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses Mondeluz são muito bons, os da Polycolor eu ainda não conheço. Mas os lápis de cor que não são aquareláveis e são macios, são os melhores para colorir. É, Derwent são um caso a parte... Esse corpo azulado atrapalha bastante.

      Eu encerrei as compras de material artístico, sejam os escolares ou os profissionais. A ideia é me aprofundar nos que eu tenho e são muitos. Eu cheguei a conclusão que não dá para comprar material de arte onde moramos, pela internet, se você esperar juntar uma quantidade maior, o frente compensa e o valor também. Sempre é mais baixo.

      Abraços.

      Excluir

Aguarde um pouco. Assim que eu ler seu comentário, ele será publicado e terei o maior prazer em respondê-lo.

Agradeço por comentar!

Um abraço e até breve.