6 de out de 2014

Nanquim - Tintas

Espírito Lobo Guará - Desenho feito utilizando todos os
materiais à base de nanquim que possuo.

No primeiro post sobre nanquim, discorri a respeito das canetas descartáveis e das penas caligráficas.
Nesta postagem, quero falar a história da tinta, além de demonstrar qual marca, melhor representa a relação custo / benefício para mim.

No post seguinte, o uso do nanquim com pincéis será colocado em foco. Abordaremos desde a qualidade dos pincéis mais indicados para esta técnica até as canetas tipo “brush”, que também utilizam nanquim.

Para finalizar, vou fazer uma postagem sobre a adaptação de materiais comuns para se utilizar com nanquim e demonstrarei as técnicas mais comuns que podem ser aplicadas com esse material.

Como já protelei demais a recomposição desta postagem, sigamos em frente.


Origem

A tinta nanquim ou tinta da china foi criada na China há mais de 2000 anos. Sua composição básica era obtida através da mistura de um pigmento escuro (carvão) e uma solução aquosa. Como esse nanquim primordial era instável, permitia a formação de áreas carregadas ou não por micro e macro partículas de carvão. A solução para o problema foi obtida através do acréscimo de goma arábica (cola) á tinta, homogeneizando e estabilizando o líquido.

Faça tinta nanquim você mesmo, no site Fórmula retrô e no site Ehow tem "receitas" interessantes.

Atualmente, a tinta nanquim é obtida através da mistura de cânfora, gelatina e de pigmento (fuligem ou negro de fumo). É utilizada basicamente para fazer contornos nos “mangas” e “hq’s”, além de ser empregada por ilustradores e pintores com a aplicação de diversas técnicas, de hachuras a aguadas.
Documentos muito antigos atestam que a tinta origina-se da região da cidade de Nanjing, capital da província de Jiangsu. Nan quer dizer sul e Jing significa capital - Nanjing = capital do sul – Esta cidade foi capital da China de 1368 a 1421 e de 1928 a 1937.

Cidade de Nanjing - China
Conteúdos adaptados dos sites: Wikipedia e do blog Nanquim.

Materiais de referência: 
Materiais e Técnicas - Guia Completo - Joana Angélica D’ Ávila Melo – ISBN 9788578277567
As Formulações de Tintas Expressivas Através da HistóriaDe Vinicius M. Mello e Paulo A. Z. Suarez
A importância da tinta líquida industrial – De Ricardo de Freitas Reis


Você encontra tinta nanquim em dois estados, líquida e sólida. A escolha de qual material utilizar dependerá de suas necessidades de tempo, conhecimento de técnicas e poder aquisitivo.
O mercado brasileiro está recheado de artistas e profissionais preconceituosos. Depois de pesquisar e testar diversos materiais e técnicas percebi que por mais negativa que seja sua popularidade, ela não deve ser levada em conta na hora da compra (somente em relação a materiais de pintura e arte). Qual o concelho que posso dar a você? Se está em dúvida, faça o teste e comprove a qualidade desse material por si próprio. Nem sempre o mais caro é o melhor ou o mais indicado para você, nem sempre o mais barato é o pior ou não pode ser usado profissionalmente. Fique atento a essas dicas.

Nanquim líquido

Você encontra diversos tipos de nanquim líquido à sua disposição, desde marcas nacionais à produtos importados. Utilizo apenas nanquim nacional, por que a qualidade desses produtos atende às minhas necessidades, minto, eles realmente são bons. Não sou ilustrador profissional e mesmo que fosse, utilizaria as tintas de nanquim barato sem sombra de dúvidas.

Acrilex - O primeiro item da lista é o nanquim líquido mais barato que conheço, talvez por isso ele acabou se tornando a maior vítima de preconceito do mercado de desenho e ilustração. Já utilizei duas marcas de nanquim líquido, gostei de ambas, mas fico muito nervoso quando ouço alguém dizer que o nanquim da Acrilex é ruim, não é indicado para uso profissional ou que parece ser “água cinza”. Esse último comentário me deu urticária e taquicardia (batimento acelerado do coração, causado pelo contido desejo insano de partir a cara de alguém ao meio).

Observe o que está escrito na embalagem, NANKIN PROFISSIONAL. Vendedores, já passou a hora de pararem de “queimar o filme” do nanquim da Acrilex e de valorizar mais o que é nosso.


Nankim Kins Ink – Tentaram me vender esse material como “nanquim profissional”,  por um preço muito alto e ainda comparando e rebaixando o nanquim da Acrilex em relação a ele. Posteriormente, li diversas avaliações negativas deste material. Alguns dizem que a tinta é aguada demais, outros dizem que a tinta não é nanquim. A Nane viu minha primeira versão deste post e fez um comentário interessante. Confiram no fim da postagem.




Corfix – Nunca utilizei esse material, sendo assim, não posso dizer nada a respeito de sua qualidade, se você conhecê-lo, utilize os comentários para compartilhar conosco sua experiência.

Você encontra esse material em dois tipos de embalagem, com 25 ml, vendido por cerca de R$ 2,65 e 1000 ml, vendido por cerca de R$ 40,00.




Koh-I-Noor – Conheço outros materiais Koh-I-Noor e são muito bons, o nanquim também deve ser ser. Esses potes com 20 ml custam cerca de R$ 8,50 a unidade.




Pelikan – Nunca utilizei esse material, sendo assim, não posso dizer nada de a respeito de sua qualidade, se você conhecê-lo, utilize os comentários para compartilhar conosco sua experiência.

PS.: De acordo com o pessoal que comentou falando sobre esse nanquim, eu não recomendo seu uso. Primeiro, por que disseram que ele não é indelével, e nanquim que não é indelével não é nanquim. Segundo, por que disseram que ele não é escuro o suficiente. Então fica a dica!

Se levarmos em conta o preço deste nanquim, poderíamos dizer que ele se encaixa na “categoria” profissional, mas pelo visto, acho que  não é. Mas isso, só poderei afirmar quando testar.

Você encontra esse material em três tipos de embalagem, com 30 ml, vendido por cerca de R$ 19,00, com 250 ml, vendido por cerca de R$ 130,00 e 1000 ml, vendido por cerca de R$ 220,00.






Trident – Comprei esse material apenas por que comprei uma caneta Trident, não tenho do que reclamar da qualidade desse nanquim. Apenas achei a tinta menos densa do que a da Acrilex, mas seca tão rápido quanto e o poder de cobertura é o mesmo. O fato da tinta ser mais líquida, é por que a caneta precisa que a tinta seja assim para funcionar bem.

O vidro com 20 ml é vendido por cerca de R$ 9,50.







Staedtler – Nunca utilizei esse material então não posso dizer nada da qualidade dele. Se você conhece esse material, utilize os comentários para compartilhar conosco sua experiência.

O vidro com 22 ml é vendido por cerca de R$ 18,00.





Talens – Esse é outro material que não comprei por causa do alto custo. Para alguns, é o melhor nanquim que existe.O pote de 30 ml custa cerca de R$ 25,00, o vidro de 490 ml custa cerca de R$ 130,00 e o de 990 ml, aproximadamente R$ 220,00. Os preços dele competem com os preços do nanquim Pelikan, pelo visto a qualidade não, ao que tudo indica, esse é muito superior.





Staedtler

Acrilex

Você ainda pode contar com nanquim da marca Bryenzeel, nanquim “China” e nanquim de outras cores, disponibilizadas pelas marcas Acrilex, Koh-I-Noor e Staedtler.

Nanquim sólido

 O nanquim em barra é relativamente barato (cerca de R$ 7,00), caros são os materiais que devem ser comprados para se utilizar com ele.

O nanquim em barra geralmente é muito utilizado na técnica japonesa de Sumi-ê, por isso é fácil encontrar no mercado, kits como os demonstrados ao lado e a seguir. Esses kits geralmente contemplam: pinceis de bambu e pelo macio, o nanquim em barra, a pedra Suzuri, barra de sabão, o apoio para pinceis e um ou dois reservatórios para água ou tinta nanquim de outra cor.

Pedra Suzuri para dissolver a tinta.
Pedra nanquim colorido.













Não encontrei material que diferencie a tinta para Sumi-ê da tinta nanquim comum. Sei que uma foi feita a partir da outra. Contudo como li muito sobre a técnica, posteriormente, farei uma postagem somente sobre Sumi-ê e toda sua filosofia.

Por fim, esta é a segunda parte do post sobre nanquim. Refeito à duras penas, olha o drama novamente.

Até a próxima.

11 comentários:

  1. Como assim, culpa da Nane??? Kkkkkkkk

    Poxa, parabéns pelo post. Está completão! Gostei de ver o guia de materiais, comparação das marcas, ótimo post pra consultas.

    Eu tenho um vidro do Nanquim Kim's Ink Keramik. Não sei da composição, mas ele até que não é ruim. É meio líquido demais, e precisa passar umas 3 camadas dele (ou uma pincelada beeeeem carregada) pra ficar pretão. Quando seca completamente, fica impermeável igual qualquer outra tinta nanquim, e brilhoso (dependendo do papel fica mais ou menos brilhoso). Acho que compensa pelo custo x benefício, pois é bem barato (comprei o meu por 10 reais, 60g) e quebra o galho.

    Pra trabalhos fodas profissionais caríssimos somente em papel, recomendo Trident... Mas esse meu made in China serve muito bem pra quem vai digitalizar o trabalho depois. =)

    ResponderExcluir
  2. Nó Nane, que bom que você conhece o Nanquim Kim's Ink Keramik.

    Então ele não é o monstro que pintaram, na verdade, acho que já tenho até uma ideia para esse "líquido demais" dele. Quem sabe mais pra frente não faço um post só para testar a qualidade dele. Acho que ele vai ser interessante para o post sobre a técnica de nanquim aguado. :-) Valeu mesmo.

    Obrigado por compartilhar seus conhecimentos. Ainda não utilizei muito o Trident exceto na caneta técnica, acho que é por isso que não observei muito a diferença.

    Estou um pouco apertado esses dias (Construção, casamento, money, money, etc.) por isso estou com pouco tempo e cabeça livre para fazer os posts.

    Mas como disse anteriormente. Acompanho as postagens de vocês. Estou sempre aprendendo alguma coisa nova e aperfeiçoando o que sei.

    É, foi culpa sua SIM! (kkkk)

    ResponderExcluir
  3. Oi, Mateus! Adorei o post, e obrigada por tentar encontrar informação sobre as diferenças entre as tintas.

    Eu mesma andei pesquisando também e li em algum lugar que o nanquim obtido pelo desgaste da barra de Sumi-e na pedra e água tende a sedimentar. Daí que algum momento os chineses inventaram de juntar cola na composição da tinta, mantendo a liga do pigmento com o solvente.

    Infelizmente não me lembro onde li sobre isso e nem sei se essas informações são verdadeiras, mas parece plausível. Algumas vezes quando dou pinceladas do nanquim da Acrilex em alguns desenhos, fica uma camada brilhosa que me lembra mesmo cola... :P

    Eu tenho nanquim preto da Corfix. Como é o único que tenho em pote, é o que eu mais uso com a minha pena caligráfica também. Ou era, até eu descobrir que é mais econômico e menos lambuzador usar umas gotas do Acrilex mesmo! XD

    Em comparação com o Acrilex eu acho ele um pouco mais aguado e mais opaco, mas gosto também. Acabo usando menos porque, como você, não entendo o preconceito das pessoas com o Acrilex! hehehe

    Sobre canetas com ponta de brush, olha tem muitas! Algumas com ponta de feltro, outras com cerdas de nylon, a maioria importadas do Japão, sendo possível comprar só por importação dos Estados Unidos.

    Tenho a Pentel Pocket Brush Pen (recarregável e com pincel de certas de nylon), tenho uma Kuretake nº14 (ponta de feltro, suspeito que a tinta não seja nanquim), Tombow Dual Brush Pen (a mesma coisa da Kuretake), e duas Zebras Disposable Brush Pens (medium e super fine). Tirando a Pentel, todas são descartáveis, e tirando a Kuretake e a Tombow, todas foram compradas no exterior, pela JStationery.com :)

    É isso, já falei igual pobre na chuva! Obrigada pelas indicações de leitura e abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom Joyce eu é que agradeço a atenção que vocês vêm dando ao blog. Estou procurando mesmo, só não posso fazer a postagem ainda, ainda possuo pouco conteúdo.

      Quanto à tinta, faz todo o sentido o que disse. As tintas nanquim realmente deixam uma camada luminosa, por isso fico fascinado com os traços depois que secam. (kkk)

      Nunca entendi o preconceito quanto ao nanquim da Acrilex, inclusive dos vendedores. Mas nanquim aguado também é interessante, as técnicas que utilizam o nanquim diluído ficam muito bonitas.

      Muito bacana saber que existem outros brushes, mas me desanima o fato de ter que importar o material do EUA. Fico com preguiça de comprar na internet, material de desenho e pintura, gosto de comprar e logo em seguida usar. Ter que esperar pela entrega é doloroso demais. (kkkk)
      Depois que conheci o Pincel com reservatório Koi, adorei as cerdas de Nylon. A nane me indicou as canetas da Tombow e depois vou pesquisar à fundo. Já as que citou, vou ter que conferir uma por uma na internet, não dá para aguentar de curiosidade. (kkk)

      Valeu por compartilhar seu conhecimento Joyce, esse comentário seu já rende um post de tanto conteúdo que tem. Muito bom! (kkk)

      Até breve.

      Excluir
  4. Olá Mateus!
    Bem, o da Talens é realmente o melhor dos que vc citou. Existe o da Winsor & Newton, marca inglêsa que se equipara. Deixe-me apenas salientar uma peculiaridade: existem tintas para desenho e para caligrafia. As de desenho são indeléveis, isto é, dá para pintar com aquarelas por cima. Pode ser antes ou depois. Os resultados serão diferentes. Ela não borra, pois contém goma arábica (por isso é que brilha). As tintas para caligrafia não são indeléveis. Comprei a Pelikan, pois no rótulo diz que é indelével, mas não é. Se vc quiser fazer um desenho a nanquim e depois aquarelá-lo, é necessário comprar um especialmente designado para isso, isto é, o da Talens ou o da Winsor & Newton para desenho. Eles são caros, mas o resultado compensa, pois o pigmento é intenso. Vc poderá dilui-lo em centenas de tons de cinza, sem perder a intensidade da cor. As tintas chinesas são para caligrafia, portanto não indeléveis, apesar de serem intensas também. Se vc for trabalhar apenas o desenho, sem colocar nenhuma técnica com água em cima, funciona muito bem. Vc pode também colorir o seu desenho com lápis, mas sem molhar. Se vc for de São Paulo, Capital, vá até uma das lojas Dayso. É uma rede de lojas de produtos japoneses e chineses. O preço é único 6,99 rs. Comprei deles um nanquim (200ml) que é para caligrafia, mas é maravilhoso! O preto é intenso e diluído não perde a intensidade. Mas não é indelével.
    Abraços,
    Silvia

    ResponderExcluir
  5. Mais um adendo:
    O da Staedler e o da Trident são mais indicados para canetas técnicas (as rapidograph da Rotring, por ex.) pois são tintas com maior fluidez. Não servem para canetas tinteiro comuns, tem de ser as específicas para desenho.
    Abçs,
    Silvia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa Silvia, depois desse comentário, vou ter que refazer a postagem com alguns acréscimos especiais fornecidos por você. Obrigado pelos comentários.

      Moro em BH, qualquer coisa de São Paulo eu compro pela internet. Vi o site da Daiso, pena que não tem loja online.

      Excluir
  6. boa noite jovem quero compra Tinta Preta Indian Ink Talens 990 Ml como faço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite! Seja bem vindo.

      Você pode encontrar essa tinta em qualquer loja de material artístico da internet (a casa do artista, fruto de arte, artcamargo, etc...) Mas o preço dessa lista esta desatualizado. Hoje em dia, o vidro de 990 ml esta custando cerca de R$ 300,00. E fantástico ser brasileiro não e?

      Excluir
  7. A tinta nankin pelikan é opaco em papel normal e chega a ser opaca em papéis de 200 gramas também, não testei em outros. Pra mim pelo que vi em vídeos a melhor tinta nankin é o da speed ball 100% black, que tem um preto avantajado, seca rápido, e tem uma goma laca que quando você usa no bico de pena, ele costuma durar mais do que qualquer outra-- com a tinta nele-- d'onde o mesmo vale para o pincel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pelo comentário Juliano. Seja bem vindo!

      Olha, até hoje eu só testei nanquim da Trident e da Acrilex e gostei de ambos, não tenho do que reclamar. A próxima tinta nanquim que pretendo testar é a da Talens. A maioria das pessoas fala muito bem desse nanquim, então quando o meu nanquim acabar, vou tirar os escorpiões do bolso e comprar um vidro.

      Já ouvi falar das canetas SpeedBall (e elas não são baratas), não sabia que tinha nanquim dessa marca. Mesmo assim, sabe algo que aprendi durante todos esses anos, se você gosta de algo, aprenda como aquilo foi feito e se possível, melhore, adapte ao seu jeito de trabalhar. Você pode alterar a composição do nanquim, é só saber como fazer isso e com o que. Eu por exemplo, recarrego minhas canetas nanquim descartáveis. Alterei a tinta nanquim para que permitisse isso. Só não ensinei no blog, por que até hoje, não achei uma "receita" estável suficiente para manter a caneta com a tinta extremamente escura e funcional.

      De qualquer forma Juliano, vou atualizar a postagem com a informação que forneceu. MUITO OBRIGADO!

      Abraços!

      Excluir

Aguarde um pouco. Assim que eu ler seu comentário, ele será publicado e terei o maior prazer em respondê-lo.

Agradeço por comentar!

Um abraço e até breve.