23 de out de 2014

Lapiseiras ou porta-minas?


Saudações!

Recentemente, vi em diversos blogs posts que falam sobre os materiais que os blogueiros geralmente carregam consigo. Como nestes posts, vou compartilhar com vocês os principais materiais que uso para desenhar e que geralmente estão dentro da minha bolsa.

Infelizmente não posso carregar tudo que gosto de utilizar, já que, recentemente, minha lista de materiais e técnicas à se estudar cresceu exponencialmente. Nane! Déborah! Joyce!

Por causa disso, geralmente preciso escolher qual material ou técnica quero carregar para finalizar um desenho e apesar de perder um bom tempo com isso, no fim, esse processo acaba se tornando uma diversão.

Então vamos lá.

Assim que possível, quero fazer um post somente sobre grafite, mas por hora, vamos nos ater ao assunto da postagem.

Acho que todo mundo geralmente utiliza lápis para desenhar, eu também utilizei lápis por muito tempo, hoje prefiro a comodidade das lapiseiras ou porta-minas e nesse caso, conto com quatro itens para a lista:


Lapiseira Mercur 0.5mm LP-505 (considerada como técnica, ou seja, de traço altamente preciso) As lapiseira ditas técnicas são muito caras, os modelos mais simples, custam em média
R$ 20,00. Essa lapiseira da Mercur custou R$ 4,50 (linha escolar) e para mim apresenta todos os quesitos que classifica uma lapiseira como "técnica".


– Já utilizaram mouse ou manete emborrachada? Então, essa lapiseira foi feita do mesmo material e isso ajuda muito nos traços precisos. Essa textura de borracha impede que ela deslize em sua mão. Além da superfície emborrachada, a LP-505 tem ondulações na ponta, aumentando ainda a segurança do traço. Nas lapiseiras técnicas mais famosas, esse sistema de aderência é feito por uma espécie de "virola" de metal texturizada. Observe os modelos Graph 600 ou a Graphgear 1000 da Pentel.

GRAPH600
GRAPHGEAR 1000
– A ponta das lapiseiras técnicas é estendida, observe nas imagens acima. Desta forma, a lapiseira melhora a visualização do traço e ainda protege o grafite, no meu caso isso faz a maior diferença já que sempre quebro o grafite por causa da mão pesada para desenhar. A Mercur também conta com esse "dispositivo" de segurança.

A aparência da LP-505 é quase um clichê, mas não deixa de ser bonita por isso.


 Lapiseira Desart 0.7mm (Chingling? – também considerada técnica) Digamos que entre essa e a LP-505 não há diferença alguma exceto o preço (R$ 2,99); ela não é emborrachada e a qualidade e cor das borrachas. (kkk)

Viu por que a aparência é clichê?

Se você quiser um modelo "chingling" com virola de metal texturizada igual a Graphgear 1000, procure pela Chengwen S-025A. A ponta dela não é estendida como as anteriores. Não encontrei imagem dela na internet, então acho que vai ser difícil encontrar para comprar. ;-D


 Porta mina KOH-I-NOOR Versatil 5201 2mm (acho que não é técnica) - Esse é o modelo de "lapiseira" mais caro que já comprei, cerca de R$ 30,00, uma facada profunda. Esse porta-mina é todo feito de metal. Não possui borracha e não possui sistema para aderência, exceto o peso dela, más possui apontador para minas embutido na parte oposta à ponta, observe o item enumerado na imagem a seguir.



Caso não saiba, a mina é a barra de material (Cera, grafite, pastel, carvão, etc.) que fica tanto dentro dos lápis quanto das lapiseiras ou porta-minas, que nesse caso possui 2 mm de diâmetro e que também pode ser comprada em diversos níveis de maciez (HB, B, 2B, etc).

Nos modelos de 3.8mm, a Koh-I-Noor disponibiliza kits com minas de lápis de cor aquareláveis de até 24 cores. 


 Porta mina KOH-I-NOOR Mephisto Selfactor 5.6 mm (essa não é técnica) Se você precisa de um substituto prático para seus lápis sépia, sanguina ou de carvão, aqui está sua solução.


Esse material é barato (cerca de R$ 16,00) em relação aos "top de linha" (feitos de metal, cerca de R$ 60,00) da mesma marca e com a mesma espessura de mina.

Não tenho do que reclamar deste porta-minas, apesar de ser de plástico, ele é bem resistente e o sistema que prende a mina é de excelente qualidade. O sistema de aderência também é eficiente. 

Como disse anteriormente, você pode adquirir kits como o da imagem a seguir.
Você ainda pode comprar minas douradas, prateadas ou de grafite com maciez variada.

Já decidiu qual material você prefere utilizar?
Para facilitar, leve em conta o peso que você coloca no traço. Como minha mão é pesada e as lapiseiras são muito frágeis, prefiro utilizar lápis ou porta-minas. Se esse não é o seu caso, fique à vontade para utilizar as lapiseiras, ou lápis de cor, o que lhe deixar mais confortável. O importante é não parar de desenhar nunca.

Para completar...
A Koh-I-Noor e tantas outras marcas, disponibilizam uma série de outros porta-minas com espessuras diferentes, cores e materiais variados. Até de madeira você encontra, más nas linhas de luxo. Ao meu ver isso já é consumismo demais. Enfim, ferramenta de desenho precisa ser útil, beleza ou estilo ficam em segundo plano.

O post ficou muito extenso, por isso, em breve falarei sobre as borrachas, sobre os materiais de apoio e um pouco sobre o que carrego quando vou utilizar guache ou marcador aquarelável. Já que os demais materiais ultimamente não estão sendo utilizados ou não podem ser carregados comigo.

Se encontrarem alguma imagem ou link com defeito, entrem em contato ou deixem um comentário na postagem que vou atrás do problema e resolvo. Depois que faço a postagem, releio o texto diversas vezes a procura de erros ou formas melhores de explicar o assunto, se encontrarem algum erro, gentileza avisar.

Desde já, agradeço a atenção e a paciência de todos.

5 comentários:

  1. Oi, Mateus!

    Depois da sua chamada na galera no segundo parágrafo, me senti culpada pelo aumento exponencial dos seus materiais! Hahahahaha.

    Eu não sei muito o que dizer... concordo com tudo o que você disse sobre materiais baratos e caros, com a mesma aparência e funcionalidade. Minhas lapiseiras são todas da Mercur e nunca senti necessidade de lançar mão de uma Pentel, que custa pelo menos 6 vezes mais caro.

    Não vejo muita utilidade pra porta minhas também. Acho interessante, mas dispensável. Mas deve ser um item muito útil nas mãos daqueles retratistas que fazem os desenhos em A3. :P

    Tenho vontade de experimentar as minas sanguínea e afins, mas sempre me dá preguiça. :P

    Uma coisa interessante que costumo fazer é rascunhar bem leve com HB ou 2H e depois usar lapiseiras de precisão pra definir o traço, quando não pretendo finalizar o desenho no suporte onde fiz. Acho que ultimamente uso mais lápis pra desenhar do que lapiseira. :)

    É isso aí, não contribuí em nada com o post, hahahaha! Abração!

    ResponderExcluir
  2. Um artista achar caro uma lapiseira de R$ 20,00 não valoriza mesmo o material que usa. é o típico profissional que não vai pra frente porque não valoriza o material de qualidade disponível e achando tudo caro não investe em si mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns, este é o primeiro comentário tipo "hatter" do blog!

      Amigo(a), R$ 20,00 é caro sim, principalmente para nossa economia, eu não estou desvalorizando o material ou deixando de investir em mim. Antes de tudo, observe bem a postagem. Eu"SUGERI" comprar uma lapiseira mais barata por que ela é tão boa quanto a cara (eu já testei as duas). Você pode gastar quanto quiser em uma lapiseira, mas no fim das contas ela vai fazer a mesma coisa que a lapiseira falsificada de R$ 2,00.

      Não é o material que define quão bom artista alguém é ou pode ser, mas sim sua experiência com o material utilizado e as habilidades adquiridas com muito estudo.

      O mais legal de receber um comentário como esse, é ver que o post não foi lido por completo ou com atenção total, já que no fim da postagem, mostro um porta-mina que comprei e que custa R$ 30,00 e que nada mais é que o lápis de R$ 0,80 da papelaria.

      Tente ser menos consumista amigo(a) e procure respeitar "só um pouquinho" a opinião das pessoas.

      De qualquer forma, agradeço pelo comentário.

      Excluir
  3. Não sabia que lapiseira também chamava porta-minas... também não sabia que existia apontador pra "mina" (que eu sempre achei que era tudo grafite! haha). Eu tenho uma versão daquela preta da Mercur, 0.5, e adoro ela! Já tive usei dessa xingling que você disse também, usava na escola, mas sempre quebravam! Atualmente uso até a lapiseira que meu pai ganhou da firma para desenhar, compro uma grafite que eu gosto, e desenho assim mesmo. Meus desenhos não ficam bons, mas eu não tenho nem técnica, nem prática e nem estudo pra isso, a culpa não é da lapiseira hahaha'

    Eu estou começando agora a levar mais a sério desenhar, e acho bacana esse monte de materiais que existem, e saber que todo material tem um nível "profissional"e tal. Mas (em resposta ao comentário acima, do hatter ali), eu acho que, na arte, quem faz o trabalho é o artista, não o material caro que ele usa. Na fotografia tem muito disso também, das pessoas falarem que "com uma câmera dessas até eu fotografava desse jeito", mas tem muito fotógrafo que usa câmera de celular e faz fotos lindas, e alguns com câmeras profissionais fazendo um trabalho não tão legal assim... Acho que no desenho é a mesma coisa, já vi artista de rua fazendo trabalhos maravilhosos com lápis de 50 centavos, e se você der essas lapiseiras caras que mencionou no post pra alguém que nunca desenhou nada, não vai sair coisa boa. Eu to até gostando dos materiais baratos que você está indicando, sempre que eu resolvo começar a me dedicar a alguma coisa, encontro uma infinidade de obstáculos relacionados a compra de material, porque tudo que as pessoas indicam na internet é caro ou importado, e minha situação financeira não é tão boa assim. Enfim, espero mais posts como esse!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. *,* Marina, adorei seu comentário!

      Posso estar cometendo um erro grave ao dizer isso, contudo, acho que os porta-minas são chamados assim quando o grafite que utilizam passam de 2mm de espessura. Desta forma as minas (ou grafite) começam a exigir materiais de apoio como: apontadores, estiletes ou lixas para serem utilizadas. Eu tenho essas lapiseiras até hoje e sempre que canso de uma ou de outra, alterno o uso e continuo produzindo da mesma forma. O importante é sentir-se bem ao utilizar o material, o preço dele não conta.

      Concordo plenamente com você, não é o preço do material ou equipamento que faz a arte, é o artista.

      Quanto aos materiais baratos, você pode utilizá-los em larga escala e deixar para pensar em comprar uns mais caros, quando já tiver exaurido todas as possibilidades de uso dele. O Cleison Magalhães, ilustrador de BH, tem um canal no Youtube e desenha horrores em um nível que eu nem sonho ter e geralmente ele utiliza lápis Faber Castell. Então não há desculpa, você pega seus lápis de cor escolares e dá atenção para eles, estuda como funcionam, em qual papel eles trabalham melhor, se podem ser aquarelados e quando terminar de fazer o estudo, vai se sentir tão bem com eles que não vai sentir falta de uma lápis "profissional".

      Enfim, dica de ouro, desenhe todos os dias, nem que seja um rabisco apenas. Procure coisas que gosta de ver, ou artistas e tente representar o mundo com o que você sabe fazer, nunca se cobrando demais ou se criticando demais e acima de tudo, NÃO DEIXE O MONSTRO DA COMPARAÇÃO PEGAR VOCÊ. Não podemos nos comparar à outros artistas, eles tiveram oportunidades diferentes das nossas, o que não quer dizer que não podemos ser tão bons quanto eles se batalharmos por isso. Mas vamos ser bons como nós devemos ser, não vamos ser eles. Depois de um tempo você vai se sentir habituada com o papel, com o material e em como sua mão e seu cérebro trabalham para resolver os problemas do desenho, daí em diante, vai ser um pulo de penhasco e rapidamente você vai estar desenhando tão bem quanto deseja.

      Abraços!

      Excluir

Aguarde um pouco. Assim que eu ler seu comentário, ele será publicado e terei o maior prazer em respondê-lo.

Agradeço por comentar!

Um abraço e até breve.