11 de set de 2014

Minhas técnicas - Parte 1 - Guache

Boa tarde leitores(as).

A pedido da Nane vou fazer meu primeiro post tentando ensinar um pouco do que aprendi sobre técnicas aguadas. Para iniciarmos bem, vou falar da tinta que utilizo com maior frequência, a Guache.

No post Estudo sobre metal ensinei a criar uma paleta personalizada com tintas guache. Inclusive, essa paleta pode ser utilizada como uma falsa aquarela. Nesta pintura, utilizei basicamente essa paleta, pinceis com reservatório de água e nanquim. O suporte utilizado foi meu Canson Art Book A4, assim o desenho pode ficar bem detalhado.

Como exercício, utilizei o pokemon Tentacool. As cores dele utilizam basicamente o ciano e o magenta e essas meus caros, são as cores guache mais complicadas de se trabalhar.
Fonte: http://fc08.deviantart.net/fs43/f/2009/159/c/c/___pogheys____Tentacool_by_Rainbow_Cemetery.jpg

Utilizo guache Talens faz um bom tempo e recomendo, não conheço outras marcas, mas se quiser testar, fique a vontade para compartilhar depois.

Gente, sou um pouco prolixo, então tenham um pouco de paciência e vamos lá.

1º Passo - Fiz o esboço do Tentacool e como podem ver, deixei delineado o espaço para preencher com nanquim. Isso facilita na hora de fazer a espessura correta do traço, mas você gasta mais tempo utilizando a ferramenta. De qualquer forma, utilizando o guache, preciso retocar o nanquim quando acabar de fazer a pintura. 



2º Passo - Digamos assim: "Panguei" e acabei manchando o papel, mas isso não é problema para o nanquim branco. Depois de corrigir o erro externo, deixei a parte interna do desenho como está, pois o guache corrige facilmente esse problema. Em seguida, comecei a trabalhar com o vermelho (misture duas partes iguais de magenta e amarelo) diluído no gode até ganhar consistência de tinta aquarela. Com diversas camadas (velatura) cheguei até o seguinte resultado.



3º Passo - Em seguida, começo a utilizar o azul claro (misture uma parte pequena de ciano com uma parte maior de branco, se precisar, acrescente um pouco mais de ciano) bem diluído. Camada após camada, vou escurecendo a área escolhida de fora para dentro, sempre reservando as áreas de branco puro.


4º Passo - Se quiser agilizar o processo, utilize a tinta mais densa, mas a probabilidade de você errar aumenta com a diminuição do tempo gasto para fazer a pintura. Acrescentei também um pouco de cinza (duas partes iguais de branco e preto) bem diluído nos tentáculos. Comecei também a empregar o verde-água (azul não tão claro com pequenas partes de amarelo) nas áreas mais escuras.


5º Passo - Escureci as áreas mais próximas aos contornos para valorizar o branco e na última imagem, acrescentei um camada de verde-água pura que será diluída com a o acréscimo da camada superior. Observe o erros internos do nanquim, praticamente forma encobertos com o guache.


Para este post, é somente isso e por mais fácil que pareça, trabalhar com tantas camadas de tinta leva uma boa parte do seu dia.

Aguardem, no próximo post vou finalizar os "cristais" vermelhos e a pele. Em seguida finalizo os tentáculos e as texturas. Reforço as áreas escuras e aplico um contra-brilho para fazer com que a pele pareça viscosa e se ainda tiver ânimo, faço um fundo do mar legal.

Lembre-se, deixe uma camada de tinta secar antes de aplicar a próxima, mas não se preocupe, é questão de minutos.

Em caso de dúvidas, entre em contato e se possível, quero ver os testes de vocês.

Até breve.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguarde um pouco. Assim que eu ler seu comentário, ele será publicado e terei o maior prazer em respondê-lo.

Agradeço por comentar!

Um abraço e até breve.