12 de ago de 2014

Blender - Parte 2


Bom dia  leitores(as).

Tenho boas e más notícias para vocês. Para começar, preciso dizer que o blender (marcador) não funcionou como eu esperava. Mas para melhorar o humor de vocês e o meu, a solução de blender funcionou perfeitamente com aquarela e guache.
Também estou precisando falar de bicos de pena e de papel, além de concluir o post sobre tinta branca, bom, vamos dar um passo por vez.


Essa receita de solução para blender (à base de álcool) eu consegui no site: "Não consigo achar mais!

Os materiais são bem baratos, todos podem ser comprados em farmácia sem nenhum tipo de restrição. Talvez você encontre em quantidades e por preços menores que os descritos a seguir:

  • 4 colheres de  chá de água destilada – Livre de impurezas. (R$ 7,49 - 1 litro. Não achei menos que isso para comprar, acredito que a água de torneira funcione tão bem quanto esta.)
  • 2 colheres de chá de glicerina (R$ 4,59 100 ml)
  • ¼ de colher de chá de álcool (70% a 95% - R$ 1,99 100 ml)

Em tese essa receita cria o marcador incolor (confira no post anterior), quanto a isso, não posso afirmar por que não possuo marcadores para testar. Meu intuito era utilizar esse líquido e o marcador na aquarela e no guache.

Para fazer o marcador, utilizei um marca-textos antigo. Com o auxílio de um alicate, desmontei o invólucro e sob água corrente, eliminei o restante de tinta que ele possuía, tanto a ponta de feltro quanto o reservatório, ambos ficaram brancos.

Feito isso, com uma seringa e uma agulha, injetei a mistura dos líquidos apresentados acima no compartimento de reserva e embebi o feltro na “solução de blender”. Montei o marcador e logo fui testar.

Não vou nem postar o desenho de teste, é perda de tempo, por que o resultado foi muito parecido ao que você obtém quando usa o pincel koi ou um pincel qualquer embebido em água. Mas com ressalvas, nem tudo são flores e é aqui que o marcador se tornou inútil para mim.
  • O marcador não trabalha bem com papel para aquarela.
  • Em papeis lisos ou com gramatura baixa, o marcador funciona bem, más, graças ao excesso de atrito ele "derrete" sua superfície.
  • Avalio o feltro do marcador como de boa qualidade, cheguei a essa constatação por que ele não deforma com o uso (sua composição é bem densa), o que faz com que a solução de blender passe para o papel de forma gradativa e lenta. Acredito que com um marca-texto de qualidade inferior, a solução flua melhor.
  • Não utilize a solução de blender  no reservatório do pincel de água, pois, com o passar do tempo o líquido fica denso, parecendo mel. Esse adensamento do líquido  não permite que a solução flua para o papel e acaba com o efeito aquarela do pincel de água.
  • Depois de certo tempo de uso, a ponta do feltro acaba sugando uma parte da tinta guache ou aquarela, acredito que com os marcadores isso não aconteça, aquela área acaba se tornando inútil.

Enfim, a experiência foi um desastre, mas valeu a tentativa por que descobri que a solução de blender não foi dinheiro jogado fora e isso por causa da glicerina.

Resolvi testar a solução de blender com pincel comum e guache. Simplesmente fantástico. A solução dissolve a tinta e faz com que ela adquira consistência cremosa e demore um bom tempo para secar. Mas o melhor é que no contato com o papel, a tinta continua secando rápido.

Em breve vou postar o teste, só preciso terminar o desenho/pintura primeiro.

Até breve.


Fonte da imagem: http://www.romerorodrigues.com/a-cultura-do-fracasso/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguarde um pouco. Assim que eu ler seu comentário, ele será publicado e terei o maior prazer em respondê-lo.

Agradeço por comentar!

Um abraço e até breve.